App para currículo? Ele pode ajudá-lo!

As empresas tem se modernizado ao longo dos últimos anos, a maioria das empresas não recebem mais currículos impressos em papel, dentro de uma envelope, bonitinho. A maioria delas já utiliza plataformas de recrutamento, ou soluções mais simples como e-mail, dando preferência para os modelos de currículos digitais. Desta forma surgiu o App para currículo para facilitar a vida das pessoas.

Você provavelmente deve ter observado na sociedade como os telefones celulares estão mais presentes na vida das pessoas. Inseridos em seu cotidiano, sendo quase como uma extensão de seu eu. E como tem aumentado, não é mesmo?

Se voltarmos há alguns anos atrás, não precisamos ir muito longe, vamos dizer, 5 anos atrás, mais precisamente em 2013. Pense, sua vózinha tinha um smartphone naquela época? Se sim, é sinal que sua avó era bem moderna. Agora voltando para 2018, se fizer esta mesma análise, pode ser que sua avó tenha um hoje. Isso já é uma situação presente na maioria das famílias brasileiras atualmente.

No mesmo ritmo em que as pessoas foram se adaptando, as empresas e organizações, também. Elas tem se inserido cada vez mais neste meio e se adaptando a esse movimento tecnológico. E não faz sentido as empresas se atualizarem e continuarem fazendo as coisas da mesma forma. Assim as plataformas de recrutamento ONLINE começaram a ser mais utilizadas e vistas pelas empresas como um meio de ampliação de buscas e se feita com planejamento elas podem representar uma redução de custo no processo seletivo, justamente pelo amplo alcance que se permite ter.

Se adequando aos novos hábitos das pessoas, unindo às novas formas de recrutamento, nasceu a proposta destes aplicativos para criar seu currículo que veremos a seguir. Já viu sobre as mudanças que podem ocorrer no modelo de currículo?

App para Currículo

Existem alguns aplicativos, mas aqui vamos mostrar os 3 mais bem avaliados na Google Play. Ambos são gratuitos e fáceis de preencher e utilizar, eles possuem a opção de enviar o currículo criado ou salva-lo em PDF. Todos estão disponíveis para plataformas  a partir do Android 4.0. Conheça esses Apps.

1 – Curriculum Grátis

Este App para currículo foi desenvolvido pela MMS APP, o intuito é que seja fácil preencher, possuí uma interface clara e simples de mexer. Para baixar na Google Play acesse aqui.

2 – Curriculum Vitae App Gratuitos

Este App foi criado pela 23apps.com e monta currículos com um design diferenciado, bem modernos e permite inserir logos das empresas que já trabalhou ou trabalha. A intenção é conquistar pela aparência. Possui uma interface bem simples para inserir seus dados pessoais e profissionais. Para baixar na Google Play acesse aqui.

3 – Construtor de Currículo

Este App é do mesmo desenvolvedor do Resume Builder App, outro App para currículo, mas em linguagem exclusivamente inglesa. Este oferece compras no aplicativo e assim como os demais também é bem fácil de utilizar e possui diversos modelos para sua escolha. Para baixar na Google Play acesse aqui.

Desejamos sucesso em sua jornada!

 

 

Fonte: estágio online

Por que escolher uma profissão é tão difícil?

Escolher uma profissão para entrar no mercado de trabalho não é fácil. Afinal, aos 17 anos, não se sabe exatamente qual cor e corte se deseja para o cabelo, o mundo ainda é um lugar esquisito para se viver.

O corpo é um lugar ainda mais esquisito para abrigar uma alma inquieta. A sociedade parece tão interessante quanto um jogo sobre o qual se desconhece a regra.

E é justamente nesse momento onde tudo é absolutamente incerto em que somos praticamente obrigados a tomar essa decisão.

Aos 17 anos, aquela velha pergunta “o que você vai ser quando crescer” já perdeu a validade, pois a criança já cresceu. Não o bastante, no entanto, para escolher uma profissão, ganhar seu dinheiro e trabalhar feliz pelos próximos 50 ou 60 anos .

Não estamos querendo induzir ao pensamento de que, uma vez escolhida, não se pode optar por outra carreira, mas a velocidade com que as informações chegam e o grau de exigência do mercado de trabalho está transformando crianças em adultos precoces e, consequentemente, em profissionais precoces, com muitas responsabilidades e poucas expectativas de trabalhar feliz.

Por que escolher uma profissão é sempre um desafio

vestibular assola o novo adulto como sua primeira grande responsabilidade. Depois, serão anos de estudos e descobertas na faculdade.

Conheço pessoas de 30 anos ou mais que, embora já tenham feito curso superior, ainda estão se descobrindo profissionalmente. Por mais que se esforcem para se adequar e entender as demandas atuais, esses profissionais imaginam uma carreira e, principalmente, uma remuneração que não faz parte da realidade do mercado de trabalho.

Normalmente são pessoas com perfis generalistas, ou seja, não se especializaram em nenhuma atividade prática e, por estarem sempre mudando o foco de desenvolvimento no trabalho, não evoluem academicamente porque se interessam por tantos assuntos que fica difícil se especializar.

Enquanto isso, o tempo passa, as oportunidades também e a frustração aumenta.

Até que, em alguma entrevista de emprego por aí, alguém pergunta:

  • Qual é sua especialidade?

  • Devo te contratar por quê?

  • Qual seu ponto forte no trabalho?

Frequentemente os profissionais generalistas se perdem nestas respostas, exatamente porque não são seres de um só assunto, de uma só formação.

Mercado de trabalho em evolução

O mercado de trabalho passou por fases bastante contraditórias. Em meados da década de 80, prezava-se o profissional que desenvolvia toda a sua carreira em uma mesma empresa, de preferência em um mesmo departamento, aumentando seu salário com os dissídios e uma ou outra promoção.

Na década de 90, os quadros de funcionários foram reduzidos. Ou seja, menos gente para trabalhar e cumprir a função de todos. A partir daí, os profissionais generalistas, aqueles que fazem de tudo um pouco, passaram a ser mais valorizados.

Os últimos anos têm apresentado um quadro ainda diferente, com profissionais-consultores trabalhando por projetos, preocupados com o começo, o meio e o fim de suas atividades e extremamente voltados às questões financeiras, pois lucratividade é a mola propulsora das empresas modernas.

São preocupados com processo e realizações, normalmente trabalham sem carteira assinada, mas com firma de consultoria aberta, embora sejam considerados “funcionários”.

Hoje em dia, ainda mais com a reforma trabalhista, há muitas modalidades de trabalho.

Para guiar a sua escolha, você pode pedir ajuda a profissionais especializados em direcionar carreiras por meio de testes vocacionais que analisam o perfil de cada pessoa e assim determinam aptidões e direcionam para algumas áreas.

Você não precisa confiar cegamente nesses testes, mas pode usar o resultado como norte para suas decisões. O importante é entender se a direção sugerida está de acordo com suas habilidades e vocação. Se estiver, meio caminho já está percorrido percorrido para escolha certa!

Fonte: Vagas.com

Currículo profissional de hoje está com os dias contados; confira mudanças que ele sofrerá

As transformações em curso no mercado de trabalho chegam – com certo atraso diriam recrutadores “moderninhos” – a um dos documentos mais tradicionais das seleções de emprego: o currículo profissional. Sem passar por grandes mudanças há décadas no Brasil, a versão clássica do currículo vai ganhar novos dados profissionais e deixar de lado algumas informações.

Candidatos a estágio e trainee são os primeiros a entrar em contato e a adotar a novas formas de apresentação. Vídeos, links para redes sociais e outras plataformas digitais não são novidade nas principais seleções de jovens no mercado brasileiro.

Ficar de olho no que aconteceu na última e no que vem por aí na próxima temporada de trainees, por exemplo, pode trazer bons insights sobre o que deve ocorrer em outros níveis hierárquicos, segundo Lucas Oggiam, consultor da Page Personnel. Pesquisar as seleções em mercados internacionais, também. “O currículo é um reflexo do que o entrevistador quer ver. Por isso é um jeito no Brasil, nos Estados Unidos é de outro, na Europa e na Ásia também”, diz Oggiam.

Confira o que vai entrar e o que vai sair no novo modelo de currículo profissional

1. Sem informações pessoais nem nome da universidade

Você já ouviu falar em currículo cego? É uma tendência mundial de mercado que elimina do currículo profissional detalhes de gênero, raça, idade, nacionalidade, endereço.
Iniciais substituem o nome e até o endereço de email é adaptado para que não “denuncie” nenhuma informação pessoal do candidato.

Por aqui, esse tipo de ajuste no currículo para evitar interferência de preconceito no julgamento que um recrutador faz de um candidato, é raro, mas existe.
No Nubank por exemplo, uma parte da seleção é feita às cegas. “Empresas que estão pensando à frente consideram isso um avanço natural, mas ainda depende da mentalidade do gestor da vaga em si”, diz Oggiam.

Mudar a cultura da chefia no Brasil vai levar tempo, mas é caminho sem volta. Na França por exemplo, empresas com mais 50 funcionários são obrigadas por lei a usar o currículo cego. Na Holanda e no Reino Unido essa política também já ganhou força.

2. Sem fotos

Há quase uma década no mercado brasileiro de recrutamento, Oggiam ainda recebe currículos com foto. O espaço da imagem deve, desde já, ser substituído por links para redes sociais, como o LinkedIn, por exemplo.

“Não me recordo de nenhum recrutador, que hoje em dia tenha contratado alguém sem fazer uma pesquisa sobre o candidato no LinkedIn ou em outra rede social”, diz o consultor da Page Personnel.

3. Menos atribuições e mais resultados

Nas seleções tem importado menos a descrição das tarefas diárias de um profissional e mais os resultados atingidos por ele. A tendência de o currículo destacar o que o profissional atingiu em vez de meramente descrever sua função na empresa começou nos Estados Unidos.

No Brasil, é algo que começou a se intensificar após a crise dos últimos anos, segundo Oggiam. “De uns dois a três anos para cá, as empresas têm buscado saber sobre os resultados que a pessoa teve ao longo da carreira”, diz.

4. Vídeos

Na seleção de jovens profissionais apresentações em vídeo já são uma realidade. E em quase todos os níveis hierárquicos, entrevistas por teleconferência são rotineiras em seleções de emprego.

Preparar material em vídeo como complemento para o seu currículo é uma estratégia que precisa começar a ser considerada com mais atenção pelos candidatos.
Embora Oggiam diga que não significam o fim do documento por escrito, arquivos em vídeo conseguem mostrar importantes diferenciais competitivos como a habilidade em comunicação, algo que salta aos olhos de qualquer recrutador.

Fonte: Exame

Como falar sobre os meus pontos fracos ?

É inevitável a realização de uma questão durante uma entrevista: “quais são os seus pontos fracos?”. Essa indagação pode parecer clichê, contudo, algumas pessoas ainda ficam em dúvida sobre qual a melhor forma de abordar o assunto. Você sente essa dificuldade? O Nube separou algumas dicas para te ajudar!

Impacto do ” Pontos Fracos “

Muitas organizações consideram essa uma pergunta chave para o processo de seleção. Isso permite ao entrevistador a de avaliar e ter uma visão mais ampla sobre quem se candidatou. Para Léa Folena e Renata Ferraz, coaches do UPTraine Consultoria & Treinamento, do Rio de Janeiro, quatro tópicos relevantes são avaliados nesse momento:

  1. O candidato possui autoconhecimento;
  2. Ele admite ter pontos fracos;
  3. Sabe lidar com eles;
  4. Tem um plano de ação para melhorá-lo.

O primeiro fator é um dos mais complicados. A prática de se conhecer é pouco exercida pelas pessoas, especialmente, os jovens. Quando a estudante Mariana Salgado vai fazer alguma seleção, ela se preocupa antes mesmo de sair de casa.  “Pensar em algo na hora é muito difícil, pois eu me enxergo de um jeito e as pessoas de outro”, conta.

Opinião dos especialistas

Mariana ainda afirma sobre o cuidado em demonstrar como está aberta a melhorias e em um processo de desenvolvimento e evolução. As coaches aconselham aproveitar a ocasião para destacar essa vontade de mudança. “Não se limite a falar tudo relacionado ao questionamento, mas as providências já tomadas, ou previstas, para reagir ao problema”, indicam.

Gustavo Vale, coach da DuPont e dono da Empoderar Desenvolvimento Humano, ressalta a importância de também realizar uma pesquisa prévia sobre a corporação para conhecer seus valores, produtos e serviços e quais os requisitos para o cargo. Assim, você estará mais precavido. “Ser autêntico e não utilizar frases prontas mostra sua personalidade e contribui para a empresa saber se o seu perfil é compatível com a vaga”, recomenda.

Para impressionar os selecionadores, muitos candidatos dão respostas genéricas como “sou perfeccionista” ou “sou introspectivo”. Elas podem ser eficientes se for exigido essa característica, em caso contrário, pode não funcionar. “Essa é a resposta padrão, se é um defeito ou qualidade depende da necessidade do contratante”, acrescenta Gustavo.

Lembre-se: todos temos fraquezas, para você se destacar, é preciso mostrar como você lida com eles. Logo, você conseguirá a sua tão sonhada colocação!

Fonte: NUBE

Você sabe usar toda tecnologia que tem em mãos?

Executivo dá dicas valiosas para organizar a rotina de trabalho com tecnologia

Não basta ter muita tecnologia nas mãos, é preciso usar os recursos que organizem realmente a rotina de trabalho. O conselho é de Marcelo Vallim, diretor de Novos Negócios de uma grande empresa de telecomunicações. Como todo empresário integrado ao mundo mobile, ele alia notebook, PC, tablet e smartphone na condução dos negócios por entender que cada minuto é fundamental no disputado mercado.

Tecnologia com inteligência

Antes de encher os dispositivos de apps corporativos, ele acredita que o bom uso do Office 365 – o pacote de programas mais completo da Microsoft para uso corporativo – atende quase a totalidade das necessidades dos executivos.  “O profissional de negócios precisa necessariamente ter espírito de equipe. E só consegue isso com boas ferramentas de colaboração. O 365 permite um alto grau de intensidade no trabalho. O Office padrão, por exemplo, disponibiliza e-mail gratuito (Outlook) mas não organiza sua rotina de trabalho e calendário como o do 365”, observa.

Ainda no 365, Vallim tece elogios ao aplicativo SharePoint, que permite que a equipe veja online, faça correções e continue compartilhando. “Quando trabalhamos com planilhas, por exemplo, alguém da equipe pode verificar e retificar uma célula. Ou seja, várias pessoas corrigem, todos colaboram”, explica. “É um ganho enorme de tempo e flexibilidade que antes não era possível apenas com a troca de e-mails.”

Gravar reunião online

Outro programa considerado essencial pelo executivo é o Lync Online, que permite aos usuários acesso a mensagens instantâneas, chamadas de áudio e vídeo e reuniões online completas. “O Lync é um uma espécie de Skype, só que mais profissional. Eu posso, por exemplo, gravar a reunião online. Também permite compartilhar documentos e até projetá-los simultaneamente na tela”, diz.

Em produtividade, ele destaca o programa Salesforce, considerado o melhor em CRM (gestão do relacionamento com o cliente), que integra as informações de vendas em campo. “É uma plataforma completa de gestão, que mostra o comportamento de vendas, de precificação. Podemos ver em tempo real as propostas, as etapas de negociação, o desenho das equipes de vendas por região e informações atualizadas dos clientes.”

Solução de comunicação

Vallim não dispensa uma boa solução de telefonia IP, como o sistema da Cisco, por exemplo, instalado há mais de um ano na empresa onde atua. “A telefonia IP, que junta a telefonia fixa e todas as móveis, aumenta muito a nossa disponibilidade. Por outro lado, é preciso saber a hora de desligar o sistema para não misturarmos a vida corporativa com a pessoal. Caso contrário, você acaba dando conta de que está trabalhando no domingo e falando com os pais durante a semana”, adverte.

Fonte: Vagas Profissões

TV Nube: O que é linguagem corporal?

Linguagem Corporal

Alguma vez você já ensaiou por horas as possibilidades de respostas para dar durante uma entrevista de emprego? Por um acaso se esqueceu da importância da linguagem corporal? Fique já sabendo: nossas emoções, pensamentos, inseguranças e certezas são expressados por meio dos nossos movimentos. Se você se interessou pelo assunto, veja nossas dicas em mais uma matéria especial da TV Nube.

 

“Em uma dinâmica de grupo, é importante demonstrar confiança, credibilidade e interesse pela empresa almejada. Tudo isso pode ser visto em gestos, pois 70% da nossa comunicação não é verbal”, afirma Cibele Sinico, especialista em carreira e empregabilidade.

Linguagem Corporal

Veja a seguir algumas das recomendações de nossa entrevistada da vez:

– Postura : procure se sentar de forma ereta e cabeça erguida e evite se jogar na cadeira ou ficar balançado;
– Braços cruzados : o entrevistado parece estar pouco confiante ou confortável;
– Inclinação em direção à outra pessoa : interesse e empatia pela outra pessoa e pelo assunto tratado;
– Apresentação : um aperto de mão é suficiente para o contato inicial;
– Ansiedade : controle-se para não ficar balançando os pés, pernas, mexendo ou batendo canetas nas mesas;
– Contato visual : procure olhar diretamente para o entrevistador, mas sem encará-lo, isso implica em demonstrar atenção e interesse. Olhar cabisbaixo pode significar timidez e para os lados aponta indecisão ou discordância;

“Ter esse domínio é importante para inúmeras ocasiões, mas agir com naturalidade é a grande aspiração por quem procura originalidade nos candidatos”, conclui Cibele.

 

Sobre ETEP

A ETEP Faculdades, com unidades nas cidades de São José dos Campos, Jacareí e Taubaté, pertence ao Grupo Cetec Educacional S.A. que contabiliza mais de 20 mil alunos.

Desde a sua idealização, em 1956, a ETEP forma com excelência profissionais para atender às demandas do mercado de trabalho. Em vista disso, a história da instituição foi marcada pela constante evolução acompanhando a evolução do Vale do Paraíba e com isto sempre ofereceu cursos alinhados com as necessidades da sociedade.

Faz parte dessa história a EEI – Escola de Engenharia Industrial, instituição fundada nos anos 60 e que deu origem aos primeiros cursos superiores da ETEP na área de Engenharia. A EEI foi por muito tempo reconhecida como instituição de referência no ensino de engenharia, tendo formado profissionais de destaque com atuação em grandes empresas do país. Nos anos 2000, a Escola foi incorporada definitivamente à marca ETEP, que manteve sua tradição e qualidade.

Atualmente, a ETEP Faculdades oferece cursos de graduação (tradicionais e bacharelados), pós-graduação, técnicos. Além disso, a Escola Técnica Everardo Passos oferece o médio técnico e o pré-ETEP, modalidades para alunos de ensino médio.

Gincana comemora aniversário de 62 anos da ETEP

No dia 19 de março a ETEP- Escola Professor Everardo Passos comemora 62 anos de fundação. Para comemorar a data, a diretora da escola Fernanda Guimarães Malta desafiou os alunos do ensino médio a organizarem uma Gincana Estudantil.

Apesar da realização da Gincana Estudantil ser tradicional na escola, a primeira foi realizada na década de 1980, este ano ela trouxe uma grande inovação. Os estudantes foram responsáveis pela realização do evento que aconteceu no dia 16 de março.

“Montamos a proposta da Gincana e entregamos a execução aos alunos como uma forma de estimular o engajamento, autonomia, responsabilidade, trabalho em equipe.  O resultado foi sensacional, pois eles buscaram patrocínios, organizaram tudo e realizaram um lindo evento”, afirma a diretora do colégio Fernanda Guimarães Malta.

Para participar da competição, os alunos foram divididos em 3 equipes representadas pelas cores azul, verde e vermelho, e tiveram que realizar uma série de atividades lúdicas, recreativas e surpresa além de uma Campanha Solidária.  A cada atividade cumprida as equipes receberam pontuações.

Ao final da competição o time verde foi o campeão, todos estudantes tiveram um dia muito divertido e houve ainda o sorteio de vários brindes arrecadados pelos próprios alunos.

 

 

Saiba mais sobre os 62 anos da ETEP

A ETEP Faculdades, com unidades nas cidades de São José dos Campos, Jacareí e Taubaté, pertence ao Grupo Cetec Educacional S.A. que contabiliza mais de 20 mil alunos.

Desde a sua idealização, em 1956, a ETEP forma com excelência profissionais para atender às demandas do mercado de trabalho. Em vista disso, a história da instituição foi marcada pela constante evolução acompanhando a evolução do Vale do Paraíba e com isto sempre ofereceu cursos alinhados com as necessidades da sociedade.

Faz parte dessa história a EEI – Escola de Engenharia Industrial, instituição fundada nos anos 60 e que deu origem aos primeiros cursos superiores da ETEP na área de Engenharia. A EEI foi por muito tempo reconhecida como instituição de referência no ensino de engenharia, tendo formado profissionais de destaque com atuação em grandes empresas do país. Nos anos 2000, a Escola foi incorporada definitivamente à marca ETEP, que manteve sua tradição e qualidade.

Atualmente, a ETEP Faculdades oferece cursos de graduação (tradicionais e bacharelados), pós-graduação, técnicos. Além disso, a Escola Técnica Everardo Passos oferece o médio técnico e o pré-ETEP, modalidades para alunos de ensino médio.

Como descobrir minhas habilidades? TV Nube

Minhas habilidades

Se você está em busca de uma colocação no mercado de trabalho, certamente, já ficou inseguro em algum processo seletivo ou até mesmo em entrevistas. O sentimento é normal e comum a muitos estudantes. Todavia, é possível administrar a questão a ponto de melhorar satisfatoriamente o desempenho. Eu devo identificar minhas habilidades e evoluir meus defeitos! Saiba mais com a TV Nube.

“Para manter o controle das emoções é preciso autoconhecimento, afinal, quando nos conhecemos entendemos exatamente nossos limites e também as nossas potencialidades. Isso é fundamental para conseguirmos filtrar e adequar o comportamento a cada situação”, analisa Eduardo Kalil Hanna, mestre em administração de empresas.

Dica do Nube: não se compare aos demais. “Eu reconheço minhas habilidades!”

Algumas práticas podem fazer a diferença. Vamos treinar?

– Aceite-se! Reconheça seu valor como pessoa;

– Faça uma honesta avaliação de suas capacidades; reconheça seus pontos fracos e aprimore-os;

– Busque o autoconhecimento, sem ter medo das próprias emoções e sensações;

– Não espere a aprovação do próximo;

– Seja flexível para enfrentar as variáveis da vida.

 

Sobre Colégio ETEP

O ensino médio-técnico da ETEP Faculdades tem tradição no ensino e na formação de excelência. Daqui saíram excelentes técnicos e profissionais de renome que colocaram São José dos Campos na Vanguarda da Tecnologia.

Com um corpo docente de excelência e um método de ensino inovador, a Escola técnica garante uma formação completa, que abrange tanto o lado profissional quanto humano e social, proporcionando ao aluno vivência, colaboração e espírito empreendedor.

Há seis décadas a ETEP trabalha pelo bem maior que pode haver em uma sociedade, que é a educação. E nessa trajetória, temos o orgulho de ver muitos de nossos formandos trabalhando em grandes empresas, prosperando para um crescimento contínuo de nosso país. E temos a certeza que essa história de sucesso não para por aqui.

A ETEP, com unidades nas cidades de São José dos Campos, Jacareí e Taubaté, pertence ao Grupo Cetec Educacional S.A. que contabiliza mais de 20 mil alunos.

Foco na formação de talentos

Para a ETEP, a formação de qualidade é um compromisso sério há mais de 60 anos. Por isso ela investe em um corpo docente de qualidade, projetos extracurriculares, grade curricular moderna e atualizada, além de atividades esportivas e de convivência, para que o aluno esteja pronto para dar o seu melhor na área que escolheu.

A evolução constante e o comprometimento da instituição com a formação do aluno têm o reconhecimento do mercado, que contrata habitualmente 90% dos alunos dos cursos técnicos da ETEP, e buscam na instituição, com Processos Seletivos na própria escola, profissionais para ocupar posições que exijam alto nível de qualificação.

Você sabe que é proatividade?

proatividade é uma competência muito bem-vinda no mercado de trabalho. Cada vez mais, as empresas querem profissionais proativos em suas equipes. O problema é que nem sempre eles entendem o que quer dizer essa tal proatividade.

O que é proatividade?

Segundo o coach Alexandre Rangel, no mundo corporativo, proatividade significa trazer soluções. “Problemas existem de todas as naturezas, dos mais simples aos mais complexos, e as empresas querem pessoas que resolvam as questões que estão impedindo o bom andamento dos processos”, explica.

Segundo o especialista, a busca por profissionais proativos vem aumentando porque, normalmente, o que ocorre no dia-a-dia nas empresas é a falta de iniciativa respaldada na terceirização da culpa. “Por isso, pessoas proativas se sobressaem nas empresas, são mais valorizadas e tornam-se pessoas admiradas dentro da organização”, acredita ele. “É uma competência essencial para a liderança.”

Como demonstrar sua proatividade no processo seletivo

Durante um processo seletivo, nem sempre é fácil demonstrar que você é proativo. Confira como mostrar proatividade em cada etapa do processo de seleção.

1. No início da seleção

Vale a pena, por exemplo, conversar com os entrevistadores sobre cada etapa, propor alternativas sempre que houver um possível impasse de horários, remanejamentos de datas e outros pequenos problemas que possam surgir durante o processo.

2. Na entrevista

Neste momento, você pode relatar realizações, citar as ações que desenvolveu para solucionar os problemas.

Outra boa maneira de demonstrar esta característica é “inverter” a entrevista. Isso é, você passar a fazer perguntas sobre as questões que mais preocupam o gestor, como quais os problemas mais críticos a serem resolvidos, quais as prioridades etc.

“Perguntas desse tipo farão o gestor refletir e perceber que o entrevistado tem interesse em conhecer os problemas e está disposto a resolvê-los”, diz ele. “Sem dúvida será uma entrevista diferenciada.”

3. Na dinâmica de grupo

Há várias formas de demonstrar proatividade em uma dinâmica de grupo. Às vezes as atitudes são mais simples do que você imagina.

“Por exemplo, se alguém presente reclamar que o ar está muito frio, em vez de concordar e também reclamar, o proativo se levanta e regula o termostato do ar condicionado”, afirma.

Mais exemplos? Se o telefone tocar e o entrevistador estiver ocupado, o candidato pode atender e anotar o recado. Ou, se for solicitado que um dos candidatos se prontifique a exercer um papel na dinâmica, o proativo já se apresenta querendo contribuir para que a dinâmica transcorra bem.

“São atitudes simples, mas muito observadas e valorizadas, porque sinalizam que o candidato tem iniciativa e busca soluções rápidas”, diz ele.

4. No currículo

O que Rangel NÃO recomenda é colocar a expressão “proativo” no currículo.  “É uma característica muito subjetiva, percebida e julgada pelo outro e não pela própria pessoa”, justifica.

Como você pode se tornar mais proativo

Se você tem consciência de que não é exatamente um profissional forte em proatividade, há uma boa notícia. Existe um treino para desenvolver essa competência comportamental.

O primeiro passo para isso é querer mudar seu comportamento e, para isso, é preciso estar aberto para receber feedbacks e começar a treinar a mudança de atitude no dia-a-dia quando estiver diante dos problemas.

Para guiar essa mudança, Ragel cita algumas questões que podem servir como um primeiro passo para quem quer se tornar proativo. Segundo ele, diante de uma situação-problema a pessoa deve fazer as seguintes perguntas e escrever a resposta em uma folha de papel:

  1. Qual parte da situação você pode influenciar ou controlar?
  2. Você prefere estar no controle ou se colocar na posição de vítima da situação? (vitimização)
  3. Culpar o outro ajuda a resolver?
  4. Como você pode contribuir para melhorar a situação?
  5. Se você fosse melhorar uma pequena parte da situação você se responsabilizaria pelo que?

“As respostas a estas perguntas farão com que a pessoa identifique onde ela poderá agir e que ações tomará para dar solução ao problema ou pelo menos resolvê-lo em parte”, afirma.

É um exercício que vale a pena começar agora mesmo. Vamos lá

Fonte: Vagas.com

O que o recrutador avalia na entrevista de emprego sem você saber

A forma e o conteúdo das suas respostas dizem mais do que você imagina em uma entrevista de emprego.

Em uma entrevista de emprego, o que se fala e como se fala importam ainda mais do que parece. Isso porque até as perguntas mais simples têm objetivos implícitos de conhecer melhor alguns aspectos do perfil profissional do candidato. Afinal, que tipo de informação dá para captar com suas respostas? E o que o recrutador avalia sem você saber?

Sabendo mais acerca do processo de avaliação em uma entrevista, você consegue se preparar melhor para as próximas. Por isso, o Na Prática conversou sobre o assunto com Leonardo Gomes, coordenador de seleção e responsável pelo recrutamento do programa Líderes Estudar, da Fundação Estudar.

O Líderes Estudar, ou antigo Programa de Bolsas da Fundação Estudar, oferece mentoria, orientação de carreira, acesso a uma rede de mais de 600 líderes de diversas áreas de atuação, além da bolsa de estudo. As inscrições para a edição 2018 estão abertas até 26/03.

 

#1 Grau de autoconhecimento (e capacidade de autorreflexão)

A partir das respostas a perguntas do tipo “Qual seu animal favorito?” ou “Quem você admira?”, o recrutador procura entender o grau de autoconhecimento do candidato. De acordo com Leonardo, “em geral, o que vai ser interpretado é que ele valoriza as características [do que mencionou]. Pode ser o que ele tem ou não tem. Se ele valoriza, então o que faz para ter aquelas habilidades?”

E com aquelas questões do tipo “Qual seu sonho?”, “Onde quer estar em X anos?”, o entrevistador percebe “se tem coerência entre o que o candidato espera dos próximos passos de carreira, sua ambição e o que já fez”, diz Leonardo.

Por isso, é interessante procurar refletir anteriormente sobre algumas situações importantes da sua carreira – o que foi resultado, erro, aprendizado e aplicação.

#2 Valorização das conquistas

Quando perguntam sobre ações passadas e o impacto delas, os entrevistadores também procuram analisar questões ligadas à autopercepção. “Comparamos quanto que o candidato atribui de valor às suas conquistas e habilidades com a percepção de outras pessoas”.

Como os recrutadores, geralmente, têm alguma experiência com o tipo de perfil, vaga, faixa etária ou expertise, é fácil saber o que é ou não relevante dentre as conquistas apresentadas. Por isso, quem tentar “inflar” ou supervalorizar seu desafio ou as próprias entregas é facilmente identificado.

#3 Curiosidade intelectual

Curiosidade intelectual é um aspecto interessante a ser analisado nas diferentes fases da carreira, segundo Leonardo. As questões sobre atividades intelectuais – como “Qual o último livro que você leu?” – servem para que o recrutador avalie o nível de interesse pela busca por conhecimento.

Leonardo explica que o recrutador espera entender “como o candidato busca informação, digere e com que frequência faz isso, além de perceber a capacidade do candidato de aprender coisas novas”.

O entrevistador também busca saber se o candidato é capaz de se aprofundar na conversa sobre alguma área do conhecimento pela qual tenha apresentado interesse. Mas, aqui, ainda vale a dica: fale com honestidade. De acordo com Leonardo, “um bom entrevistador vai explorar até descobrir que o candidato não está embasado”.

#4 Nível de resiliência

É muito importante para o recrutador entender como o candidato lidaria com as possíveis situações adversas trabalhando na empresa. “Quais são suas reações emocionais em relação às situações-problema, estresse, pressão, imprevistos”, esclarece Leonardo. Para isso servem as perguntas sobre conflitos do seu passado.

“O tempo de reação e maturidade ao lidar com situações adversas e estressantes” também são avaliados. Por último, se e como o candidato evolui de um conflito para resultados e melhorias pessoais e profissionais.